11 setembro 2009

QUEM AGUENTA ESSA GENTE?

Entre a leva de frustrados e ressentidos que abandonaram o PT nos últimos anos, por causa do fim do tal discurso ético (sobrou essa prática bonita aí, que sempre existiu na esquerda), muitos se sentiram salvos embarcando em legendas como o Pstu e o Psol. Sinceramente, já nos posicionamos por aqui com relação ao leninismo, stalinismo, gramscismo, entre outros ismos da esquerda, cujas práticas e métodos (práticas e métodos, entenderam?) continuam calcadas no personalismo, no centralismo e no autoritarismo empoeirado dos séculos XIX e XX. Essas correntes ainda se alimentam do embolorado sentimento de seita, da demonização e exorcização de tudo que não abona seus códigos internos.

Para muitos, as ações do Psol e do Pstu parecem plenas do melhor sentimento ético, justas e salvadoras. Eles realmente são, apenas por serem nanicos e por politicamente não terem nada a perder, os que se apressam a jogar na fogueira do legislativo todo e qualquer bandido que tem os podres expostos pelo jogo do poder. Assim foi com o caso Renan Calheiros, com o caso Sarney, entre tantos. Pragmaticamente falando, há mérito nesses ímpetos, mas a queima dos hereges na fogueira moral armada por essa turma não necessariamente exime tais inquisidores. Maior parte das vezes apenas esconde o verdadeiro caráter não tão louvável dessa gente.

O caso de Cesare Battisti, aquele criminoso comum que fugiu da Itália e pediu asilo político no Brasil (ui, ui, ui), concedido por Tarso Genro, à revelia da legislação brasileira e desrespeitando decisões judiciais de um país democrático como a Itália, tal como acordos bilaterais entre os dois países, serve para exemplo de como a ética dessa turma é elástica. Na porta do STF, que já julgou improcedente o asilo concedido por Tarso ao tal Battisti e provavelmente vai aceitar a extradição do criminoso para o país de origem, onde deve cumprir pena por assassinato, o senador José Neri do Psol foi fazer discurso em defesa de Battisti. Para ele os crimes de Battisti parecem ser mais brandos do que os de Sarney, Renan e companhia. Quem aguenta? HÁ BRAÇOS!

Nenhum comentário: