28 agosto 2010

BOCA DO INFERNO-59: VAMOS COM NIETZSCHE

Eu sempre tive a impressão de que o bando de "nietzschianos" que anda por aí a fazer citações e a reverberar dentro de grupinhos de esquerda nunca leu patavina do que o polêmico filósofo escreveu. Penso que virou modismo se declarar nietzschiano ou citar fragmentos do pensador alemão como atestado de inteligência. Algo assim: nossa, como fulano é descolado, é intelectual... olha, ele citou Nietzsche! No caso é um obtuso admirando um néscio. Alguns desses seres descolados conseguem ser militantes de partidos como o PT, PC do B, PSOL, PSTU, PCO ou algo que o valham, coisas incompatíveis com o grosso das ideias de Nietzsche e ainda assim não perdem tempo em polir a imagem com uma ou outra frase recortada irrefletidamente de um livro ou outro do autor de Genealogia da Moral. Se eles tivessem a mínima ideia (não têm porque não leram) do que Nietzsche escreve sobre o socialismo, sobre a democracia, sobre esses regimes que pregam o nivelamento humano decerto se envergonhariam de citá-lo sem nenhum critério ou sinal de pudor. 
Nietzsche é um pensador profundo, sem preocupação com essa nossa roupagem social. Por ser profundo é um tanto perigoso a quem não está acostumado a mergulhos verticais. Quem o encara com firmeza vai além do bem e do mal e descobre que tudo que a gente mais repudia na humanidade é muito nosso, é visceralmente nosso. E o que a gente ama mais cegamente é menos real e menos nosso do que pensamos. Nós somos humanos, demasiadamente humanos!
 Eu sei muito bem onde Nietzsche me fere, em qual fraqueza minha seu martelo bate mais. E o respeito toda vez que percebo que ele está mais certo do que eu. Volto sempre aos seus textos porque quero ir além de mim, busco a constante superação. Sei que esse  não é o caso dos nietzschianos fashion. Para eles, segue então um recadinho de Nietzsche! Um pequeno mimo, sobretudo aos nossos "socialistas nietzschianos"! rsrsrs!  E eles verão, se forem curiosos o bastante, que não apenas ao longo do livro Humano, Demasiado humano, esse pensador aciona o seu martelo filosófico contra essa mentalidade reduzindo-a a mero entulho. Há braços!

"Uma quimera na teoria da revolução

Há visionários da política e da sociedade que impulsionam com todo ardor da sua eloquencia a derrubada total da ordem estabelecida , na convicção de que, então logo surgiria espontaneamente desta derrubada o templo mais soberbo de uma bela humanidade. nestes sonhos perigosos, persiste um eco da superstição de Rousseau, que acreditava na bondade da natureza humana, uma bondade maravilhosa, original, mas, por assim dizer, agora soterrada, e que imputa toda a culpa deste soterramento às instituições da cultura, à sociedade, ao Estado, à educação. Infelizmente , se sabe, a partir das experiências históricas, que toda subversão desse tipo faz ressurgir de novo as energias mais selvagens,  ressuscitando aqueles horrores e excessos há muitos enterrados pelas épocas passadas e que, por conseguinte, uma subversão como esta poderia ser uma fonte de energia para a humanidade extenuada, mas jamais seria um arquiteto ordenador, um artista aperfeiçoador da natureza humana. - Não foi a natureza de Voltaire, com toda a sua moderação tendente a regularizar, a retificar e a reconstruir, mas as loucuras e as meias verdades apaixonadas de Rousseau que despertaram esse espírito otimista da  Revolução, contra o qual exclamo: "Ecrasez l'Infame!"
Graças a ele, o espírito das luzes e da revolução progressiva foi dissipado por muito tempo: vejamos então - cada um por sua conta - se é possível evocá-lo de novo". (Nietzsche em Humano, Demasiado humano)


7 comentários:

baltazar disse...

Nunca li nada de Nietzsche, passei os olhos em dois livros, talvez nunca lerei, não por gostar das abordagens dele, mas por falta de capacidade intelectual para entende-lo. Contudo, eu entendo-o, se é que posso, como um cara fora do fora, libertario das amarras do pensamaneto que fora construido por secúlos.
Os Partidos Políticos lutam para ter o seu espaço dentro do captalismo, pois eles são os representantes daqueles que têm dinheiro. Ou seja amarrar o povo, criar uma ditatura, um reinado, alienar e nada mais.

Flávio Dantas Martins disse...

Nietzsche para socialistas? Bizarro. Trotsky já o havia caracterizado como um "representante intelectual da fração sifilítica da burguesia financeira" pouco após a morte do filósofo alemão. Seu anti-democratismo e sua consideração do socialismo como uma variante do cristianismo são muito conhecidos. De fato, um disparate!

Flávio Dantas Martins disse...

Nietzsche para socialistas? Bizarro. Trotsky já o havia caracterizado como um "representante intelectual da fração sifilítica da burguesia financeira" pouco após a morte do filósofo alemão. Seu anti-democratismo e sua consideração do socialismo como uma variante do cristianismo são muito conhecidos. De fato, um disparate!

GTV BOCA DO INFERNO disse...

Sei bem que a opinião de Trotsky sobre Nietzsche merece tanto crédito quanto a de Edir Macedo sobre fé. É Vaga, sem pudor e um tanto desesperada. Quer ver como é fácil fazer o que Trotsky fez: Trotsky era a fração cancerosa do autoritarismo bolchevique!

baltazar disse...

Vivaaaaaaa Las Vegas então!

GTV BOCA DO INFERNO disse...

BAL... RSRSRSR! São Paulo, ou como dizia Mário de Andrade, A pauliceia desvairada, é realmente estranho. Algo como a Ilha do doutor Moreau, quanto mais esquisito melhor!

baltazar disse...

O contraste. Diria que Sampa é isso em escala de 20 milhões de pessoas.