06 agosto 2010

OS SILÊNCIOS DO DEBATE


O brilho do debate não passou de fagulha.
Os silêncios do debate de ontem e o apelo a estatísticas furadas refletem o direcionamento que o jogo eleitoral quer dar para a reflexão sobre os problemas do Brasil. Como se viu não se deve mais atacar a causa dos problemas, mas seus  efeitos. Falou-se do problema das drogas, especificamente do crak, porém ninguém tocou nas relações cordiais e afetivas que o atual governo mantém com as Farcs e a Bolívia, responsáveis pela droga consumida no Brasil. Falou-se superficialmente de reforma agrária, entretanto, ninguém apontou a atuação irresponsável e muitas vezes criminosa do MST e congêneres  na administração de assentamentos e de verbas destinadas ao desenvolvimento desses assentamentos. Todo mundo se calou com respeito ao Agronegócio que bem ou mal sustenta o superávit primário da economia brasileira, garantindo equilíbrio econômico e ainda alimentação em abundância no país. Dilma chegou a dizer que 80 por cento da merenda escolar é bancada pela agricultura familiar. Não é verdade. Há sim interesse que seja assim até mesmo por questões estratégicas e ideológicas, mas a agricultura familiar até agora não deu conta do recado. Falta muito... Falta inclusive uma cultura responsável de produção que alie qualidade, ou melhor, domínio de tecnologias atuais de produção e de manejo dos alimentos , sustentabilidade e regularidade de produção. Falou-se de saúde, contudo pouco se tocou na fortuna que foi arrecadada com cobrança de cpmf ao longo das décadas, toda desviada não se sabe para onde. Não se tocou no cormporativismo médico que contribui para apodrecer ainda mais a saúde, com muitos conselhos funcionando como máfias asquerosas que protegem seus integrantes deixando a população a mercê de erros médicos grosseiros e de extorsões inadimissíveis.  Enfim, tivemos um debate morno, cheio de hesitações marqueteiras e  sem projetos e  ideias muito convincentes. Mas isso não nos impede de concluir que o duelo principal travado entre Dilma e Serra foi vencido pelo tucano uma vez que Dilma se autoderrotou com uma linguagem confusa, quase incompreensível, dosada pelo nervosismo, pelo despreparo e pela incapacidade de articular o raciocínio... Um desastre!  

No geral, nossa apreciação sobre o debate leva em conta apenas as atuações de Marina, Serra e Dilma, muito embora entre os candidatos houvesse um velho bobalhão do Psol, não tão velho quanto o mofo de suas ideias, dando pitacos ridículos e fazendo encenações mambembe.  Há braços!

3 comentários:

Anônimo disse...

Realmente o debate foi bem abaixo do esperado.Mas pelo contrário do que o caro mencionou, em nenhum momento houve nenhuma vantagem entre os candidatos,já que não foi apresentado por nenhum, projetos concistentes para a resolução dos principais temas abordados hoje no Brasil e no mundo.
Bem,vamos ser bem realista,está eleição não vai ser decidida em um simples debate,já que na noite passada à grande maioria estava muito mais preocupada com o futebol, que, em houvir os projetos para o futuro do Brasil.
Romário Santos

GTV BOCA DO INFERNO disse...

Seu segundo parágrafo me faz crer que a impressão de que Dilma se autoderrotou não é só minha, é dos dilmistas também.

baltazar disse...

Eu gostaria de ver sangue, ganha as eleições aquele político que conseguir matar todos os outros concorrentes. Não acredito nestes produtos envelopados, produzidos pela PUBLICIDADE/propaganda política.Todos querem usufuir do dinheiro público, todos quer as regalias do poder público. E que se foda o povo.
A mídia escolheu O coveiro vampiro JoséCerra ou Dilma RuChef.Portanto o meu voto não serve de nada nessa bosta de eleição. Acho que transformei-me em um elfo domestico.